terça-feira, janeiro 30, 2007

Quando sonho, desapareço.
Tenho estes frios.
Tenho estes sonhos.
Quando tenho frio, desapareço.
Sonho em entrar em coma.
Adormeço.
Acordo muito tempo depois só para verificar se vale a pena acordar.
Tenho magníficas visões.
Só sonho com vidas diferentes da minha.
A vida parece-me desproporcionada.
Sou um pulmão aflito.
Relembro coisas maravilhosas, junto-lhes outras que não sei.
Que sonho apenas.
Sou capaz de me reverter.
Entro em relógios e imobilizo ponteiros.