terça-feira, abril 22, 2008



Se os músculos falassem, não falavam, gritavam! Se os meus neurónios fizessem barulho, não faziam, eram acusados de poluição sonora! Hoje, pela primeira vez quase me sentia alérgica à luz do sol, os meus olhos estavam mais claros que o habitual e nem conseguia abri-los, mantive-os semi-serrados e jurei que o banho e a casa de Oeiras estavam mais perto do que eu pensava. O dia começou bem, a noite foi agitada, mais do que o habitual, tostas com doce de cereja e café, o meu estômago reclamava a negligência, o cheiro a maresia deleitava-me o espírito. É tal e qual uma vacina, eu tenho pavor de vacinas, seringas não é, definitivamente, comigo! Dizem sempre o mesmo (e eu já sei o discurso de cor) "é rapido e não custa nada, vai ver que nem sente", mas sinto sempre, doi sempre e as repercussões são sempre maiores das que esperamos.
A fase do doi-doi, do congelamento cerebral, dos berros e choros, do trabalho 24/7 non-stop, de nem sequer saber o que é a nossa casinha, o nosso quarto, a nossa cama, a roupinha sempre lavada e a comidinha sempre feita a horas e miraculosamente na mesa por obra e alma dos papás e mamãs.

Doi, doi, doi, doi, tu és o meu herói...ai doi, sim doi! Mas aguenta-se estes últimos três meses, dar o litro e espremer até fazer sangue, mas no fim, a vacina faz efeito, o músculo doi, o rabo precisa de gelo, mas estás protegido! Preciso de ti, sim, às vezes, mas pelo menos de saber que estás por aí, algures e que se me apetecer berrar (ok, berrar se calhar não...lol), chorar, rir ou simplesmente ouvir...tu estás...
Metamorfose...

4 comentários: