segunda-feira, junho 02, 2008




Tenho andado perdida do mundo, de mim. É fácil refugiarmo-nos, escondermo-nos do que nos apoquenta. Tenho os meus retiros, os meus recantos, para onde fujo quando algo me abala. São sítios que apagam, momentaneamente, o que se passa lá fora, e cá dentro. Tenho-me escondido no trabalho e nos amigos, tenho sorrido, brincado, falado, vivido assim, sob um holofote gigante a que chamam sol, porque é muito mais fácil esconder-mo-nos na luz que no escuro. Tenho uma data, 5 de Junho de 2008, faltam 3 dias. Trabalho entregue e estreia do Sex & The City, parece-me o closer perfeito. Dia 6, Rock in Rio, Muse, Linkin Park, The Offspring, sandes de ovo e Los Vavamajo com sombreros e sorrisos infindáveis. Estou ansiosa, tenho borboletas no estômago. Quero extravasar toda esta energia, boa e má, acumoladas. Depois disso tudo, depois de passar a onda, ficará na areia aquele resto, o que mais nos custa de lidar, engolir em seco, fingir que nunca aconteceu, que nunca existiu, que nunca lá esteve e receber o verão e todo o seu sabor por inteiro.
Pega-me na mão meu amor e leva-me para o mundo dos pequenos póneis.