domingo, janeiro 03, 2010



Não é o passar do tempo que nos aborrece, não. Também não é por ficarmos mais velhos que nos irrita, também não. É não podermos aproveitar o tempo, isso é que nos tortura. Saber que existe um planeta à nossa espera e nós sem tempo de o ver, tocar sentir. Precisamos de marcar com os amigos, marcar com a família, com o médico, com a companhia do gás, com os correios, tem de ser tudo planeado e combinado para gerir...o tempo. Não há liberdade, há uma ilusão dela. Neste ano que passou apercebi-me desta consumissão do tempo, deste esgar cronometrado a que nos permitimos. Por isso toda gente corre atrás da sorte com esperanças de encontrar "tempo" para, simplesmente, viver. Quero acreditar que no inicio é sempre dificil, complicado, coisas afins. Que quando a poeira assentar e não mais grãos de poeira nos magoarem os olhos poderemos ter tempo, para tudo, para nada, para coçar a micose, para jogar WOW, para ver, conhecer, tocar, sentir, respirar, o mundo. Para filmar o Top Gear, tirar fotos para o National Geographic, ir ao Japão só porque sim, ser nerd e ir a New Zealand só para ver onde é Meadle Earth e Rohan...
No fundo, quero tempo para te ter, o que tenho preenche-me, mas por te amar tanto quero mais e não quero que acabe porque somos umas crianças mimadas que nos queremos e só isso, basta.

Happy New Year e que todos os anos tenham um pouco do meu 2009 que superou o meu 2004, de que eu tanto falava.