terça-feira, outubro 17, 2006

Às vezes parece que vou contra mim própria, não gosto de lamechices mas preciso delas, nao gosto de admitir que gosto de alguém mas preciso de gostar e que me gostem. Não gosto de pedir mimos, gosto que mos façam, não gosto de pedir atenção gosto que ma dêem. Tudo se resume no fundo ao gostar-se, se eu gosto de alguém vou querer falar com essa pessoa, estar com essa pessoa, conhecer essa pessoa e deixar que ela me conheça a mim, mas por outro lado tenho aquela coisa de "fobia a gente", não, não é uma doença, lol é sim uma mania. Aprendi de tal maneira a estar sozinha que me habituei à minha solidão e gosto muito dela, ou seja, gosto muito de mim. Não é narcisismo é saber gostar-se, ninguém me entende como eu, ninguém vai ver o mundo como eu, ninguém gosta de uma pessoa como só eu gosto e nunca ninguém vai gostar de uma pessoa como gosta de mim. Parece um discurso mesmo convencido eu sei, lol, mas a verdade é que gosto especialmente das poucas pessoas que deleitam os meus dias pelo simples facto de serem únicas. Não dispenso o café com a princesa, ou o comentário parvo do copinho de leite, as piadas do meu bi-abixanado, o embirranço floffy com o meu virador de hamburguers ou mesmo as discussões com o meu contador de histórias. Adoro os abraços do meu espirituoso e as conversas de 300 km com o "my mentor", vá não se babe, lol. Aquilo que quero dizer é, todos me preenchem e provavelmente cm alguém diria "sem mim continuavas a tua vidinha mas não tão feliz" e vero vero, mea culpa, não tão feliz seria eu sem estas criaturas, porém desde já advirto, não me tirem a mim, deixem-me estar quando estou, deixem-me sozinha quando sozinha estou. Basta-me apenas um "olá bom dia", um "és floffy", uma afalfadela no cabelo que o sorriso será entregue...bijoux*

Post Scriptum - Je ne sais pas "lamechas"...