terça-feira, julho 22, 2008




Os silêncios prolongam-se, aqui. A vida fora dos zeros e uns propaga-se a uma velocidade assustadora. As noites com o meu Topsius parecem ser cada vez mais deliciosas, a simplicidade da noite arrebata-nos as mentes brilhantes e transporta-as para patamares mais elevados. Gosto tanto dele, numa conversa tardia na varanda maravilha, chagámos à conclusão que o que temos é tão único e já ultrapassou o terreno há tanto tempo. É óptimo rodearmo-nos de quem amamos.
O sábado foi no Meco, almoço com a família da minha elfa de olhos negros, miss V., rimo-nos tanto, conversámos tanto, comemos tão bem que nem nos apetecia vir embora. Fomo-nos embora na promessa de nos vermos amanhã para a noite encantada. Sintra chegou-nos aos pulmões e eu viajei para o meu mundo encantado de caminhos inexplorados e momentos tocados de silêncios. Perdemo-nos por entre as árvores de caminhos proibidos, perscutámos os medos, o escuro, tudo.
Descemos a estrada assombrada e jantámos no café da vila, o vinho delicioso, as entradas e os pratos de lambusar os mais educados dedos, a torta de laranja e os cappuccinos com bombom no final. As quebras de luz a meio do jantar, o café del mar a passar por trás e a cigarrilha puxada ao canto da boca. Gosto demasiado de me sentir assim, já lá vai o tempo em que me assustava com este sentimento de pertencer a algo, a alguém. O verão prometeu, o verão cumpre e está a cumprir. Los VaVaMaJo estão juntos de novo e isso sente-se no ar, no som, no tacto, no paladar, nos electrodos que percorrem a espinha e me dizem "perfeito", simplesmente perfeito.
Aventuras infinitas no vale encantado que são as nossas almas. Inté.